Com toda a certeza Beyoncé é uma das artistas mais completas, irreverentes e criativas da atualidade. Sua história começou, desde quando ela era bem pequenininha, cantando em igrejas com toda a família. Mas sua carreira começou a ser notória, a partir de 1997, quando começou a fazer sucesso com o trio Destiny’s Child. Anos depois, Queen B focou em sua carreira solo e foi então que se tornou um dos fenômenos pop mais requisitados do mainstream.

Como se já não bastasse a enorme carreira a cantora texana foi uma das headliners do festival Coachella de 2018 e, como era de se imaginar, foi o show mais aguardado da edição. E claro, Beyoncé não decepcionou nem um pouco! Pela primeira vez uma artista conseguiu ‘mudar’ o nome do festival, que ficou conhecido como Beychella.

A primeira apresentação aconteceu no dia 14 de abril e parou o mundo. Com aproximadamente duas horas de duração, o show foi exibido ao vivo pela conta do festival no YouTube e contou com participações mais do que especiais da irmã Solange Knowles, do maridão e rapper Jay-Z e a união das ex-integrantes do Destiny’s Child Michelle Williams e Kelly Rowland.

Um ano após o show histórico no Coachella (mais precisamente no dia 17 de abril), a Netflix, junto com a própria cantora, lançaram o documentário Homecoming: A film by Beyoncé, um registro incrível das duas apresentações do Beychella e diversas cenas dos bastidores que antecederam o evento.

Como Beyoncé não dorme em serviço, a primeira apresentação no festival foi com um figurino totalmente amarelo, usado por ela e seus diversos músicos e bailarinos, e a segunda apresentação foi com um figurino rosa. Com isso, a brincadeira foi garantida para quem editou o documentário, intercalando as duas cores dos figurinos com a sincronia perfeita que ela e seus pupilos apresentavam em duas noites diferentes.

O show em si não tem muito o que falar, afinal Beyoncé é uma show-woman que dispensa qualquer tipo de comentário, mas o espectador consegue entender um pouco mais do talento da cantora com as cenas que mostram o backstage do evento.

Mesmo em um período muito difícil, em que ainda estava se recuperando de uma gravidez complicada dos gêmeos, Beyoncé mostra que o trabalho dela é uma das coisas mais importantes de sua vida, e deu o seu melhor em cada momento de meses de ensaio.

A sensibilidade da cantora e seu convívio com os integrantes da banda e os dançarinos é repassada nitidamente para todos os que acompanharam pela telinha o documentário. Então imagina você assistindo ao épico show de um dos maiores nomes da música pop atual e conferir tudo o que rola nos bastidores, se envolvendo com cada fala da cantora, cada passo nas coreografias e o amor que está presente entre todos os membros desse grande projeto.

Podemos concluir que Beyoncé não é só uma cantora com uma voz potente e lotada de hits, mas sim, uma mulher, emponderada, mãe, esposa, filha, amiga, empresária, criadora e principalmente, humana.

Confira o trailer do documentário clicando aqui.

NOTA: 5/5

Vocês já assistiram o documentário? Comentem aí embaixo o que acharam.

#Beychella